City Tour Recife Olinda - Forte das Cinco Pontas

História:​

Histórico: Antes da invasão holandesa a Pernambuco, a Ilha de Antônio Vaz era muito pouco ocupada. Além de um convento Franciscano, havia ali apenas alguns armazéns e casas esparsas de moradores. Com a invasão holandesa, o convento foi ocupado, transformando-se no grande quartel, que abrigava parte das tropas. Abrangendo o antigo convento, foi construído o forte Ernesto, no norte da Ilha.

Com a implantação do centro administrativo holandês nas proximidades do porto principal, nos ‘Arrecifes’ ou no ‘Povo”, foi na Ilha de Antônio Vaz e no Recife, que se concentrou grande parte da população. De início foi o Recife que mais se desenvolveu; na Ilha de Antônio Vaz, até pelo menos 1635, mantinham-se principalmente atividades rurais. Nos primeiros anos do domínio holandês, enquanto atuavam as forças da Resistência, era perigoso para os holandeses, viver na ilha. Os moradores de Antônio Vaz contavam com o apoio do Forte Ernesto, o que não se mostrava suficiente para defendê-los dos ataques surpresa das tropas de emboscada. Construíram então, em torno da Ilha, paliçadas e redutos para defendê-los contra as sortidas da ‘guerra brasílica’ imposta pelos da terra.

Por outro lado, do ponto de vista estratégico, a Ilha representava um dos principais pontos a serem defendidos pelos holandeses. Em primeiro lugar, proporcionava condições para se estabelecer uma defesa com base no cruzamento de fogo entre suas obras de defesa, de modo a melhor poder impedir o avanço inimigo.Em segundo lugar, mas não menos importante, garantia o abastecimento de água potável ao grosso das tropas.Toda a região que envolvia o porto o Recife correspondia a um grande areal, recortado por gamboas, pontilhado de áreas alagadas.A proximidade com o mar, as terras baixas alagadiças, a influência que recebia das marés, sua própria constituição geológica, tornava a região pobre em água potável.As cacimbas, em geral, tinham água salobra e os habitantes daquele ‘Povo’, quase sempre recorriam à Olinda, onde iam buscar água para beber. Uma exceção a este quadro eram as Cacimbas de Ambrósio Machado, possivelmente as únicas conhecidas à época, que forneciam boa água e deviam ser bem defendidas.​

Em outubro de 1630, no mesmo ano em que se iniciara o domínio holandês no Brasil, Theodoro Waerdenburch, o comandante das forças holandesas de terra, ordenou a construção de um forte na ponta sul da Ilha de Antônio Vaz (Ilha de Santo Antônio).

Foi encarregado da traça, o engenheiro Commeresteyn.

A posição escolhida, permitia ao forte Frederick Henrich cobrir dois objetivos principais: o porto, com a defesa da ‘barreta dos afogados”, e garantir o domínio das chamadas ‘cacimbas de Ambrósio Machado’.

Próximo às cacimbas foi instalado o Forte Frederick Henrich que em decorrência de sua forma pentagonal, ficou conhecido como Forte das Cinco Pontas. O forte em terra, projetado pelo engenheiro Tobias Commersteijn, foi executado por Pieter van Bueren. Por outro lado, a construção deste novo forte preocupava os luso-brasileiros.

Em agosto desse mesmo ano de 1630, os luso-brasileiros atacaram o forte ainda em construção, tentando arrasá-lo, sem, no entanto, conseguirem êxito, apesar de uma árdua luta de 2 horas.

Os holandeses, temerosos de novo ataque, decidiram construir um Reduto auxiliar da defesa, uns 400 metros mais ao sul do Forte, denominando-o de Reduto Amélia ou Emília.

Em sua primeira feição, as muralhas do Forte Frederico Henrique pouco ultrapassavam os 12 a 13 pés de altura. Construído em terra, logo os invernos deterioravam suas estruturas.

Muralhas desgastadas, fossos secos e aterrados, paliçadas em grande parte caídas pela deterioração das madeiras, foi este o quadro que apresentava o Forte Frederick Henrich, quando da chegada de Nassau a Pernambuco. Logo pode Nassau constatar a pouca defesa que em tais condições aquele forte poderia oferecer; e se tratava de um importante posto, pois era o único capaz de garantir água no caso de um cerco à cidade. Mandou alargar e aprofundar os fossos; construir uma contra-escarpa na face externa do fosso; alargar e elevar as muralhas; e do lado do mar, construir uma sapata. Posteriormente ampliaram as defesas externas, com a construção de novos fossos em direção ao sul.

Quando da Restauração Pernambucana, o Forte das Cinco Pontas foi a última fortaleza a ser conquistada pelas tropas luso-brasileiras. Foi ainda no Forte das Cinco Pontas, onde se encontrava aquartelado o general Sigismund Von Schkoppe, que foram elaborados os termos da rendição das tropas holandesas. E a 28 de janeiro de 1654, na Campina do Taborda, o general Francisco Barreto de Menezes, recebeu oficialmente os termos de capitulação, quando ficaram definidos os moldes da evacuação dos holandeses de Pernambuco.

Em 1847, o forte continuava em atividade e sua guarnição compunha-se de um capitão e 15 praças, e contava com 14 peças de bronze e 10 de ferro.

Sua primitiva feição, em forma de pentágono, com cinco bastiões, que o tornou conhecido como Forte das Cinco Pontas, foi mais tarde substituída. Após a Restauração o forte foi reconstruído em pedra e cal pelo engenheiro Francisco Correia Pinto, então em forma de quadrado, com 4 baluartes.

Posteriormente o forte foi transformado em quartel e prisão.

Após as sucessivas reformas a que foi submetido, em 1637, 1684, 1822, 1904 e em 1979, - esta última correspondendo à restauração realizada através do convênio entre a SEPLAN e a SPHAN (atual IPHAN) -, a fortificação adquiriu suas feições atuais, que conserva o traçado regular e quatro bastiões poligonais.

Roteiro do Passeio

Transfer Recife Porto de Galinhas
Transfer Recife Porto de Galinhas

Guia de Porto de Galinhas

  Mergulho em Porto de Galinhas  
  Pousadas em Porto de Galinhas  
Transfer Recife Porto de Galinhas
    Hotéis em Porto de Galinhas    
Transfer Recife Porto de Galinhas

Somos Associados

Veja alguns de nossos parceiros

Transfer e Receptivos

Entre em contato pelos telefones:

81 3093-3225 (GVT)      |      81 9.9226-8796 (CLARO)  

81 9.9516-3804 (Tim)      |      81 9.7118-0277 (Vivo)      |      81 9.8484-0301 (Oi)

Confira depoimentos de clientes

Transfer Recife Porto de Galinhas

02 de etembro de 2014 22:16

Ola, Ricardo. Gostaria de agradecer pelo serviço...

 f  facebook                         Veja mais

Transfer Recife Porto de Galinhas

15 de Julho de 2014 12:55

Obrigada pelos serviços prestados, Ricardo. Sua equipe...

 f  facebook                         Veja mais

   Resorts em Porto de Galinhas   
Transfer Recife Porto de Galinhas
   Passeios em Porto de Galinhas  

Telefones:

8130933225 GVT ​​

81984840301 oi     ​

81971180277 vivo 

81995163804 tim    ​

81992268796 claro

Aceitamos os Cartões: